Gente que só quer fud.. com os outros


Desculpem a grosseria, mas não consegui ver isso e ficar quieto.

Prefeitura de São Paulo fecha albergues para sem-teto

AE - Agencia Estado

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo pretende encerrar, neste ano, os serviços de mais dois albergues para sem-teto: o República Condomínio AEB, com 85 vagas, e o Pedroso, com cerca de 400. O centro de São Paulo e bairros próximos já perderam, em dois anos, quase 700 leitos em albergues municipais. A medida eleva a conta para mais de mil vagas extintas.

As conseqüências dessas medidas são vias e praças ocupadas por uma massa cada vez maior de moradores de rua. Segundo estimativa da Associação Viva o Centro, são 2 mil na região. "E o número tem aumentado com o fechamento dos albergues", afirma o superintendente da instituição, Marco de Almeida.

Ele diz que essa população cresceu na Avenida Duque de Caxias, na Praça da República e no Largo do Arouche. O Movimento Nacional da População de Rua estima que 15 mil pessoas vivam nas vias da capital (quase 5 mil a mais que há sete anos).

Desde 2008, a Prefeitura desativou dois albergues no centro: o Jacareí (antigo Cirineu), com quase 400 vagas, e o Glicério (conhecido como São Francisco), com 300 leitos, segundo a Secretaria de Assistência Social (Seads). "Mas chegamos a abrigar mais de 700 pessoas", relata frei José Santos, que administrava o Albergue do Glicério. "É claro que a maioria voltou às ruas." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Bem, o Efeito Joule ainda está de férias mas logo voltaremos com força total.

Se você gostou do blog, siga o Efeito Joule  Twitter, no Facebook ou receba as atualizações por e-mail.  
3 comentários:
  1. Pois é, Vanks, é uma questão social bastante delicada o fechamento destes albergues. Mas qual o motivo do fechamento?

    ResponderExcluir
  2. Parece que o nosso prefeito não quer moradores de rua no centro da cidade. Ele fecha os albergues e manda a polícia expulsar os moradores do centro, enviando-os para bairros afastados. Nos bairros afastados eles podem morre afogados com as enchentes.

    Michel, nunca vi uma prefeitura se preocupar em piorar a vida de quem já ta fudid... Essa, sem dúvidas, é a preocupação do Kassab.

    ResponderExcluir
  3. Talvez o poder público possa enxergar com isso, que existem milhares de pessoas que não tem casa, ou que não consegue voltar para ela. Talvez assim, eles possam não apenas reabrir os albergues, mas dar condições das pessoas estarem em suas próprias casas. Poderia ser uma mal que traga um bem maior.

    ResponderExcluir

Leia antes de comentar:

1 - Comentários ofensivos, escritos em CAIXA-ALTA, spam e similares serão deletados.
2 - O autor deste blog não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem as do autor do blog.